A movimento paredista deflagrado por aeroviários e aeronautas nesta quarta-feira levou ao atraso de 13,5 por cento e ao cancelamento de 14,1 por cento dos voos domésticos do país até as 7H, de acordo com dados da Infraero, em em razão do impasse entre as categorias e as empresas aéreas por reajuste salarial retroativo à data-base.

A previsão dos aeronautas é de que o impacto fosse em torno de 200 voos das 6h às 8h, período previsto da paralisação, de acordo com o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Rodrigo Spader. e atingisse os aeroportos de Congonhas (SP), Guarulhos (SP), Santos Dumont (RJ), Galeão (RJ), Viracopos (SP), Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza

Ainda segundo Rodrigo Spader, esse número cumpre com folga liminar do Tribunal Superior do Trabalho determinando que 80 por cento do efetivo fosse mantido, em resposta a pedido do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA). Os aeronautas e aeroviários rejeitaram proposta de reajuste de 11 por cento nos salários feita pelas empresas aéreas por prever parcelamento do reajuste, que não seria retroativo até a data-base de 1º de dezembro.

Após a manifestação, Spader afirmou que seriam realizadas assembleias em cinco cidades para definir quais os próximos passos.

(2)